brevemente

brevemente

VISÃO

A Universidade Rovuma pretende ser uma instituição de ensino superior de qualidade e excelência no processo de ensino e aprendizagem e nos serviços de pesquisa e extensão a nível nacional, regional e internacional.

MISSÃO

A Universidade Rovuma tem como missão formar técnicos superiores com qualidade de modo a que contribuam de forma criativa para um desenvolvimento económico sociocultural sustentável.

VALORES

Excelência Académica | Cultura Académica | Liberdade de Pensamento e de expressão | Autonomia | Internacionalização | Humanismo e Integridade | Igualdade e Equidade | Reforço da cidadania, do patriotismo, da consciência cívica e ética | Laicidade | Inserção comunitária | Inovação e criatividade

NA EXPLORAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS E HIDROCARBONETOS

  • Defende o Professor Catedrático luso, Fernando Tavares Rocha

O Professor Catedrático Fernado Tavares Rocha, da Universidade de Aveiro, em Portugal, defendeu hoje, na cidade de Montepuez, em Cabo Delgado, que Moçambique deve adoptar políticas públicas coerentes, que levem a sustentabilidade dos recursos minerais e hidrocarbonetos, presentemente explorados de forma intensa e sem que se pense no futuro.

Este académico falava na conferência internacional sobre recursos minerais e hidrocarbonetos, organizada pela Universidade Rovuma (UniRovuma), a decorrer em Montepuez de hoje até Quinta-feira.

Tais políticas devem ser acompanhadas pelo aumento da capacidade inspectiva na indústria extractiva, pela educação das comunidades e a cooperação internacional, de forma a que se reduzam os inúmeros riscos que advêm dessa actividade, de modo a torná-la cada vez mais sustentável.

Ao apresentar o tema sobre “Matérias-primas minerais críticas: contributo para o desenvolvimento sustentável”, o académico luso defendeu, ainda, que se firmem compromissos entre as comunidades e os governos visando estabelecer-se regras em torno desta actividade, não somente em Moçambique como também noutros quadrantes do planeta.

“Hoje em dia verifica-se, em todo o mundo, uma enorme pressão sobre os recursos minerais e hidrocarbonetos”explicou Fernando Rocha, acrescentando que alguns países avançaram no estabelecimento dessas regras, mas que a sua implementação enfrenta sérios entraves.

Fernando Rocha deixou claro que apesar dessa pressão sobre os recursos humanos e hidrocarbonetos, há mais 30 anos que no mundo não se descobre uma nova mina, deixando transparecer tais recursos, a qualquer momento, podem esgotar-se.

Ele ressalvou, contudo, que o conhecimento que o homem tem sobre a existência ou não de mais recursos minerais e hidrocarbonetos no planeta Terra é “muito ínfimo”, daí a necessidade de se adoptarem políticas sustentáveis de exploração destes recursos, que levem, ao mesmo tempo, a um desenvolvimento sustentável do próprio homem.

Por outro lado, a fonte precisou que toda actividade económica desenvolvida em diferentes vertentes depende da indústria extractiva, embora cresçam em todo o mundo ondas de manifestações populares contra este ramo.

“O carácter agressivo da indústria extractiva é um dilema que se enfrenta em todas sociedades”, acentuou Fernando Rocha, sublinhando que “as próprias pessoas que se manifestam, continuamente, contra esta indústria são as mesmas que usufruem os benefícios que esta trás para as suas vidas”.

Decorrendo sob o lema “Perspectivando o Desenvolvimento Integrado de Moçambique”, a conferência é o primeiro evento que a Universidade Rovuma – Extensão de Cabo Delgado organiza desde que se criou, saída da extinta Universidade Pedagógica de Moçambiqque.

A mesma termina na Quinta-feira, com apresentação de diversificados temas relacionados com os recursos minerais e hidrocarbonetos e mesma decorre com a parceria da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), da Montepuez Ruby Mining, da Tmcel e da Hyper Montepuez, Limitada.

Vasco da Gama

A Magnífica vice-reitora da Universidade Rovuma (UniRovuma) apelou hoje, na Vila Municipal de Montepuez, em Cabo Delgado, a uma profunda reflexão sobre os recursos minerais e hidrocarbonetos, por forma a que a sua exploração traga benefícios para o País e os seus cidadãos.

A Prof. Doutora Sarifa Fagilde falava na abertura da Conferência Internacional sobre Recursos Minerais e Hidrocarbonetos, evento organizado pela UniRovuma – Extensão de Cabo Delgado, reunindo cerca de 80 participantes, entre nacionais e estrangeiros.

Na sua intervenção, a Magnífica vice-reitora começou por apresentar, em linhas gerais mas de forma rsumida, esta nova instituição de ensino superior, considerando-a “um bébé, que nasceu a pouco tempo, tendo dado alguns passos e que trás, no seu historial, uma experiência assinalável”, pois surgiu da reestruturação da Universidade Pedagógica de Moçambique

Para a Prof. Doutora Fagilde, a UniRovuma é uma instituição que prima pela qualidade, pela excelência e pela referência, sendo que este desiderato passa, também, pela organização de eventos científicos que visem responder as necessidades do País face ao seu desenvolvimento sócio-económico.

Esta conferência visa igualmente, segundo a vice-reitora, proporcionar um momento de reflexão, de partilha de experiências rumo à busca de caminhos que transformem a exploração de recursos minerais e hidrocarbonetos em oportunidades de desenvolvimento da economia de Moçambique e, consequentemente, da melhoria da qualidade de vida dos moçambicanos.

 Durante dois dias, a conferência, a decorrer sob o lema “Perspectivando o Desenvolvimento Integrado de Moçambique”, vai discutir vários temas relacionados com os recursos minerais e hidrocarbonetos.

Dos temas propostos, destacam-se os relacionados com “Matérias-primas minerais críticas: contributo para o desenvolvimento sustentável”, apresentado na manhã de hoje pelo Professor Cetedrático Fernando Tavares Rocha, da Universidade Aveiro, em Portugal, e “Indústria mineira em Moçambique:Exploração de recursos de riscos sócio-ambientais associados”, à responsabilidade do Prof. Doutor Gustavo Sobrinho Dgedge, da Universidade Pedagógica de Maputo, a ser apresentado na Quinta-feira, no segundo e último dia do encontro.

Vasco da Gama

A PARTIR DO PRÓXIMO ANO

A Universidade Rovuma (UniRovuma) vai introduzir, a partir do próximo ano lectivo, o regime de ensino à a distância no distrito de Chiúre, na província de Cabo Delgado, esperando-se, neste momento, que se defina o número de cursos a serem leccionados.

A garantia foi expressa, na última Terça-feira, naquela vila municipal, pela Vice-reitor da UniRovuma, Prof. Doutora Sarifa Fagilde, após ter visitado as quatro salas que vão acolher os possíveis cursos que serão ministrados no futuro Centro de Recursos de Chiúre.

As salas foram disponibilizadas pela Escola Secundária de Kuphe, nome tradicional dado a esta instituição de ensino que, traduzido para a língua local, o emakhuwa, significa “limpar”, pois a região em que a mesma foi construída era de influência do régulo Megama.

A Vice-reitora da UniRovuma explicou que as salas disponibilizadas, com a capacidade para 45 estudantes, oferecem condições mínimas de leccionação, faltando limar os últimos acertos para que essa pretensão se concretize.

Quanto aos cursos a serem ministrados, a Prof. Fagilde explicou que ainda não foram definidos, mas, por outro lado, é dado certo que o primeiro será o de Ensino Básico.

“A nossa Extensão de Cabo Delgado está a fazer um trabalho minucioso para definir os cursos e colher outras informações atinentes ao futuro Centro de Recursos e pensamos que até o final deste mês teremos essas informações detalhadas”, acrescentou a Vice-reitora da UniRovuma.

O governo distrital disponibilizou uma outra instalação, desta feita na Escola Secundária de Chiúre, antes pertencentes à Igreja Católica, mas o seu estado de degradação exige uma reabilitação apurada, avaliando-se, segundo a Administradora de Chiúre, Etelvina Fevereiro, entre cinco a seis milhões de meticais.

Numa avaliação preliminar feita, os custos para a reabilitação do imóvel estimavam-se em pouco mais de dois milhões de meticais, contudo, a Vice-reitora, depois de ver o actual estado da referida instalação, disse que “esse valor é pouco”, a avaliar pelo nível de degradação em que a mesma se encontra.

 

Estamos optimistas

A administradora de Chiúre, Etelvina Fevereiro, manifestou-se optimista em que a UniRovuma concretize a pretensão de instalar na vila-sede um Centro de Recursos, expressando o apoio do seu executivo para esse efeito.

“É nosso sonho que a partir do próximo ano tenhamos, aqui, o ensino superior, por isso, estamos dispostos a conceder o apoio que for necessário e que estiver ao nosso alcance”, disse Etelvina, acrescentando, em jeito de desabafo, que “nós merecemos; somos o maior círculo eleitoral desta província”.

Referindo-se a factos concretos do apoio do seu governo, a administradora apontou as instalações pertencentes à Igreja e os contactos que fez com a Escola Secundária de Kuphe para, numa primeira fase, disponibilizar salas para esse propósito.

“Estamos dispostos em apoiar financeiramente a reabilitação daquele imóvel; podemos fazê-lo de forma faseada, uma vez que esta pretensão encontrou-nos a meio do ano, mas no exercício financeiro do próximo ano podemos incluír no nosso orçamento fundos para a recuperação daquele imóvel”, explicou Etelvina Fevereiro.

“Sabemos que vai exigir de nós muita ginástica financeira, porém temos que concretizar este nosso sonho, que é o de todo povo deste distrito”, sublinhou a fonte.

Por outro lado, questionamos a Vice-reitora da UniRovuma se esta comparticiparia nas despesas, tendo em conta os custos avançados pela administradora, que, a prior, se afiguram reais, tendo a Prof. Sarifa Fagilde respondido positivamente.

“Temos que fazer muito esforço, a UniRovuma está disposta a colaborar na reabilitação daquele edifício e naquilo que for benéfico para nós”, precisou.

Vasco da Gama 

Usem as oportunidade existentes para resolverem os problemas da sociedde

 

A Universidade Rovuma (UniRovuma) realizou, hoje, na cidade de Lichinga, o segundo ciclo de graduações e as últimas sob chancela da Universidade Pedagógica, ao lançar ao mercado de trabalho 299 quadros superiores, em cerimónia realizada na Extensão de Niassa e assistida pelo governadora local, Francisca Tomás.

A cerimónia segue-se a uma igual realizada na última Segunda-feira em Montepuez, na Extensão de Cabo Delgado, na qual foram graduados outros 197 quadros superiores formados em diferentes áreas do saber.

Até o final do corrente mês, a UniRovuma deverá graduar um total de 1.061 estudantes, com o único ciclo destas cerimónias previsto para o próximo dia 26, na cidade de Nampula, com a atribuição de diplomas à 565 estudantes, segundo dados do Registo Académico.

Falando na cerimónia como anfitrião, na Extensão do Niassa, o Magnífico Reitor da UniRovuma, Prof. Doutor Mário Jorge Brito dos Santos, apelou aos recém graduados para procurarem ou usarem as oportunidades que se lhes oferecem, porque saem da Universidade já preparados.

Segundo Brito dos Santos, existem no país inúmeras oportunidades, as quais se encontram nos problemas que as comunidades enfrentam, nomeadamente, a falta de alimentos, de indústrias de processamento, a falta de pequenas e médias empresas locais que possam desenvolver os distritos e outros que persistem e mantêm Moçambique na pobreza.

“Ajudem a nossa sociedade a resolver esses problemas e criem, por via disso, formas de serem mais competitivos ao nível local e internacional”, acrescentou o Prof. Dos Santos, tendo reiterado o seu apelo a comunidade universitária à paciência e à uma visão futurista promissora, na sequência das actuais mudanças resultantes da reestruturação Universidade Pedagógica (UP).

“Queremos que mudemos para o melhor, sempre que possível e necessário, e é essa a filosofia que as várias comissões constituídas estão a fazer, trazendo de melhor da extinta Universidade Pedagógica de Moçambique”, acrescentou o Reitor da UniRovuma.

Por seu turno, o Magnífico Reitor da Universidade Pedagógica de Maputo, Prof. Doutor Jorge Ferrão, instou aos graduados a testarem as suas qualidades, nos caminhos pelos quais irão enveredar.

“Nestas opções, todos gostaríamos de desejar que, nos vários contextos profissionais, elevem a bandeira da instituição de formação”, precisou, explicando que a sua presença na cerimónia resulta de um entendimento institucional, que impõe e reconhece a graduação de 2019, como ainda fazendo parte da estrutura académica da então globalizada Universidade Pedagógica.

O Prof. Jorge Ferrão rigozijou-se pelo facto dos índices percentuais dos graduados tenderem a um equilíbrio, numa altura em que Niassa é considerada como uma das províncias com o maior índice de desistências escolares por conta dos ritos de iniciação e de casamentos prematuros. 

 Dos 299 estudantes graduados, 54% corresponde aos do sexo masculino e 46% aos do sexo feminino. “Embora sintamos que temos de continuar com esforços no sentido de dar atenção acrescida à medidas que visem maior empoderamento da mulher e que foquem na equidade de género, louvamos esta percentagem de mulheres que se formam pela nossa instituição”, observou o Reitor da UP – Maputo.

Vasco da Gama

Reitor da Universidade Rovuma apela aos recém graduados ao patriotismo

Por Vasco da Gama (colaboração)

O reitor da Universidade Rovuma (UniRovuma), Prof. Doutor Mário Jorge Brito dos Santos, apelou hoje, na Cidade de Montepuez, a cerca de duas centenas de recém graduados desta instituição de ensino superior a demonstrarem um patriotismo, num momento em que o País vive momentos de tranquilidade em razão da assinatura, recentemente, do acordo que põe termo às hostilidades entre as tropas governamentais e ex-gerrilheiros da Renamo.

Brito dos Santos falava na cerimónia de graduação de novos quadros superiores formados em diferentes áreas do saber pela Universidade Rovuma, uma das cinco instituições de ensino saída da extinta Universidade Pedagógica de Moçambique.

“Para vocês, em particular, tenho uma só palavra: abracem o patriotismo”, sublinhou Brito dos Santos, acrescentando que “o patriotismo resume, hoje, tudo o que vos poderia dizer, que sejam exemplares pela Pátria”.

Essa missão, segundo ele, passa pelo uso das ferramentas que os recém graduados obtiveram na universidade, defendendo os princípios científicos, morais e legais que promovam e protejam a nação moçambicana.

Na sua alocução, presenciada não apenas pelos graduados como também pelos seus familiares e entidades convidadas para o efeito, entre eles o reitor da Universidade Pedagógica de Maputo, Prof. Doutor Jorge Ferrão, Brito dos Santos fez a radiografia que culminou com a criação de cinco novas universidades resultantes da reestruturação da antiga Universidade Pedagógica.

Esteve igualmente presente a directora provincial dos Transportes e Comunicações de Cabo Delgado, Felicidade Costa, em representação do governador desta província Júlio Parruque.

A cerimónia, segundo ele, surge em circunstâncias de reestruturação da UP em cinco universidades, incluindo a Universidade Rovuma, constituída pelas antigas delegações da UP em Montepuez, Nampula e Niassa.

“Estamos a passar por momentos de ansiedade e incerteza em relação ao que o futuro nos reserva a todos na UniRovuma, mas fiquem descansados pois o trabalho que está a ser realizado por várias comissões constituídas visa melhorar as condições de todos nós como comunidade e promover o desenvolvimento da nossa instituição”, disse.

Para o reitor da UniRovuma, as comissões estão a levar em consideração as características e necessidades de cada grupo da comunidade universitária e as mesmas buscam um alinhamento com relação aos melhores caminhos de desenvolvimento institucional.

As mudanças que, porventura, ocorrerem serão mudanças para o melhor e não o contrário, acrescentou, reiterando o comprometimento da universidade com o desenvolvimento das comunidades, sendo o actual desafio estabelecer um perfil orientado mais para a prática e para a técnica, uma universidade moderna, mais internacional e reconhecida.

Graduação de despedida

Por seu turno, Jorge Ferrão, reitor da Universidade Pedagógica de Maputo, anunciou que as cerimónias de graduação que estão a ocorrer, presentemente, são as últimas que se realizam sob chancela da UP, de um Registo Académico unificado.

Para Ferrão, em próximas edições elas serão realizadas no contexto de cada universidade surgida da reestruturação da UP. “A nossa presença aqui é resultado de um entendimento institucional que impõe e reconhece  a graduação de 2019 como ainda fazendo parte da estrutura académica da então globalizada Universidade Pedagógica”, explicou.

“Fomos a Universidade Pedagógica, hoje somos universidades diferentes, mas partilhando os mesmos sonhos”, acentuou o Prof. Doutor Jorge Ferrão, notando que o desenvolvimento sócio-económico dos últimos anos no País coloca desafios exigentes às universidades.

“A nossa responsabilidade continuará a ser a de prover um conhecimento científico, por excelência, para cada um de vocês, por forma a assegurar que estejam equipados com as ferramentas essenciais, para fazerem a diferença e agregarem vários esforços que têm sido desenvolvidos para dotar Moçambique de novas mentes e profissionais à altura do seu desenvolvimento”, enfatizou Jorge Ferrão.

Esta foi a sexta cerimónia de graduaçao que a extinta UP realiza em Montepuez e a primeira no quadro da UniRovuma. A outras será realizada na próxima Sexta-feira na Extensão do Niassa, culminando com a de Nampula, já no final do corrente mês.